sábado, julho 22, 2017

A Curva do Rio (1979)

É verdade que o tema é a descolonização, o antes e o pós, impactos e efeitos, mas é mais do que isso, é um questionamento sobre aquilo que nos motiva a fixar objetivos, a acreditar em destinos, a procurar mais e melhor. É visto a partir da perspectiva africana, ainda que por um indiano que ali nasceu, servindo o romance para dar conta do seu coming-of-age.


A escrita de Naipaul é boa mas não surpreende, pelo menos na tradução, já o tom imposto ao discurso esse sim é bastante particular, muito conseguido e coerente ao longo de todo o romance. Não é fácil definir esse tom, diria que é uma espécie de melancolia ausente, no sentido em que as emoções apontam para tristeza e desaire, mas ao mesmo tempo abnegação, permitindo que a atmosfera do livro se eleve, deixe respirar, sem condicionar o sentimento, e sem nunca permitir o definhamento completo da esperança. Como que sabendo que não valendo a pena, vai-se ainda assim fazendo o esforço, ainda que reduzido esse esforço, mas fazendo-o, como que para se manter à tona a respirar na espera por melhores dias. Tenho a sensação que se não tivesse passado por África já algumas vezes, teria dificuldade em conseguir compreender este tom, a mesma dificuldade que senti quando pela primeira vez tentei ver o filme "Terra Sonâmbula", adaptado do livro homónimo de Mia Couto, e que depois dessa experiência vi com outros olhos.

Naipaul consegue recriar a atmosfera africana no fio das páginas, o languido fundido com a tristeza, mesclada com a vontade de continuar a lutar ainda que devagar. É verdade que Naipaul não mede as palavras, é muito direto, roça o racismo, e há mesmo quem não lhe perdoe, mas nada do que é dito pode ser retirado de contexto e colocado na boca do autor. Escrever de modo politicamente correto seria bom para os críticos europeus, mas nunca conseguiria chegar ao âmago, e dar-nos a sentir o que verdadeiramente se sente no interior daquele continente. Aliás o que mais me impressionou na leitura foi exatamente ler a África pelos olhos de um não europeu e de um não-africano, existe uma espécie de imparcialidade que se cola aos personagens de Naipaul que nos permitem ver o que até aqui não tínhamos visto noutras obras com a África em pano de fundo.
“Quando se deu a independência, o povo da nossa região enlouqueceu de raiva e de medo – toda a raiva acumulada durante o período colonial, todos os medos tribais que entretanto tinham estado adormecidos. A gente da nossa região tinha sido muito maltratada, e não apenas pelos europeus e árabes, mas também por outros africanos; e quando veio a independência, recusaram-se a obedecer ao novo Governo instalado na capital."

Houve um momento em que quase fechei o livro, quando o protagonista desata a bater na amante, algo que se cola a algumas histórias que entretanto circularam a propósito do próprio Naipaul. A julgar pela descrição realizada, acredito que o autor o tenha feito nesse seu passado, mas não podemos, mais uma vez, descontextualizar as ações. Não posso de forma alguma defender o autor, mas não posso esquecer o que é viver numa sociedade que aprova e incentiva esses comportamentos.

Inevitavelmente o rio de Naipaul faz-nos recordar as trevas de Conrad, ainda que num tom distinto como já referi acima, e por isso difícil de aproximar. Naipaul sendo melancólico nunca permite a total negrura, não tem soluções, mas nunca fecha a porta, acredita claramente no ciclo da vida, sente-se ao longo de todo o livro, pela boca dos seus personagens, uma crença no princípio budista de que “Tudo é Impermanente!”.
Enviar um comentário